Na semana passada (9/11/2018) saiu a primeira matéria sobre o I Festival de Música Cristã IBES. Se você ainda não sabe o que é, acesse o post aqui. Comprometi-me em liberar matérias durante este mês relacionadas ao evento e pelo título da matéria talvez você esteja esperando alguma dica de treino vocal para melhorar a apresentação, como interpretar uma canção de maneira a tocar os jurados e o público, ou até um vídeo dos candidatos ensaiando para aumentar a expectativa para o dia das audições…

Enfim, muita coisa pode estar passando na cabeça dos candidatos, da comissão organizadora e do público que prestigiará o festival. Porém, estamos diante de um evento que é totalmente diferente dos demais shows de talentos que há por aí, pois nele os participantes serão apenas cristãos, ou pelo menos supõe-se que sejam. Não estou querendo dizer que o simples fato de ser cristão torna um show de talentos melhor ou pior. A questão a ser colocada aqui é o foco do festival e dos candidatos, ou seja, a definição do que é sucesso para ambos.

Em Atos dos Apóstolos 11.26b (ARC) lemos:

Em Antioquia, foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos.

Este aparente simples acontecimento foi um marco histórico para o cristianismo. O movimento que era conhecido como a “nova seita ou partido judaico” e “seguidores dO Caminho” vinha conquistando muitos adeptos dentre o povo hebreu e expandiu-se para os gentios (povos não judeus) após a conversão do centurião romano Cornélio, sua família e amigos (Atos 10); e com a perseguição empreendida pelos líderes da religião judaica após a morte de Estevão (Atos 11. 19-21).

Ou seja, antes de os discípulos serem chamados de cristãos a ideia que os gentios tinham em relação a eles era a de um partido da religião judaica exclusivo para hebreus ou quem viesse a converter-se ao judaísmo. No entanto, algo começou a chamar a atenção: a nova seita era duramente perseguida pelos seus patrícios e pessoas de origem gentílica eram aceitas sem as exigências da Lei de Moisés.

Os gentios de Antioquia concluíram que este movimento que surgira não era um partido judeu, mas algo mais abrangente que o judaísmo, pois seus integrantes eram prosélitos de várias etnias (judeus e gentios) que dispensavam o compromisso de seguir os rituais mosaicos por entenderem que Cristo era a finalidade pelo qual eles foram instituídos por Deus (Romanos 10.1-4 e Gálatas 3.24).

A partir deste entendimento veio a curiosidade em conhecer quem era este Cristo tão pregado pelos seguidores dO Caminho. Os cidadãos daquela cidade perceberam que aquilo que era pregado e vivido por estas pessoas era realmente algo verdadeiro, como se refletissem a própria vida de Jesus quando esteve aqui na Terra. Eles não só procuravam se parecer com seu Mestre, mas buscavam transferir todos os créditos de suas atividades a Ele como o próprio Salvador e também João Batista ensinaram (Lucas 9.23 e João 3.30). O estilo de vida em torno dO Messias era tão dedicado que até em suas dores seus seguidores tornaram-se parecidos e nelas exultavam (Mateus 5.11, Atos 5.41 e 1 Pedro 4.16). Foi este o contexto que levou os cidadãos de Antioquia a nominarem os discípulos de cristãos. Em pesquisa superficial que fiz sobre a palavra cristão é que ela é de origem grega e tem por significado “pequeno Cristo”, ou seja, as pessoas daquela cidade passaram e entender bem quem realmente eram os discípulos: seguidores de Cristo.

Agora, voltando ao assunto do foco e definição de sucesso… O que é um bom festival de música cristã? Acaso seria um evento para rever a “galera”, curtir boa música e interpretações marcantes dos participantes? Poderia ser ganhar um dos primeiros lugares entre os competidores para receber o prêmio em dinheiro? Um dos objetivos do I Festival de Música Cristã IBES é “Integrar as igrejas cristãs na missão de evangelizar através da arte” e esta meta é aderente ao ensino exarado na Bíblia Sagrada. Resta a nós participantes fazermos justiça ao nome que recebemos de cristãos. Mesmo cantando músicas que expressem alinhamento com as Escrituras Sagradas, ser cristão vai além disso. Ser cristão é ser um pequeno Cristo, é ser um seguidor carregando uma cruz como o seu Mestre carregou, é negar a si mesmo e viver unicamente em função de dar glória aO Messias. Não estou negando a importância do prêmio como forma de incentivo para que nós candidatos invistamos em nossas habilidades para dedicarmo-nos ainda mais ao Reino de Deus. Entretanto a nossa medida de sucesso sempre será “Cristo em nós [parafraseado com vós], a esperança da glória” (Colessenses 1.27).

Hoje faltam 11 dias para o I Festival de Música Cristã IBES, venha adorar a Deus e conhecer irmãos talentosos. O evento será realizado no pátio da Igreja Batista El Shaday, localizada à Avenida Eurípedes de Aguiar, Nº 2288, Bairro Irapuá II, na cidade de Floriano – PI, nos dias 30/11 a 1º/12/2018 a partir das 19h. Valor da entrada: R$ 5,00 para os dois dias. Todo o valor arrecadado com o concurso será revertido na obra para a construção da infraestrutura da ECMA (Escola Cristã Mercês Alencar). Fique agora com uma música para sua edificação da banda Novo Som chamada Herói dos Heróis.

1160cookie-checkPreparação para o I Festival de Música Cristã IBES – Cristocentrismo


0 comentário

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.